Assistência de enfermagem ao portador de transtorno psiquico: visita domiciliar

Clecilene Gomes Carvalho, Renata Monica Amaral, Sérgio Ricardo Magalhães

Resumo


Segundo estimativas internacionais e do Ministério da Saúde, 3% da população brasileira (5 milhões de pessoas) necessitam de cuidados contínuos (transtornos mentais severos e persistentes) e 12% da população geral do Brasil (20 milhões de pessoas) precisam de atendimento eventual (transtornos menos graves). Atualmente, com as propostas de redução de permanência no hospital e maior ênfase na promoção da saúde e tratamento na comunidade, a visita domiciliar vem se destacando pelo manejo e cuidado dessas pessoas que estão saindo do hospital psiquiátrico. Esse novo contexto do cuidar exige dos enfermeiros um preparo por se depararem com um complexo cuidar. Portanto, o estudo tem como objetivo enfatizar a compreensão da prática de enfermagem psiquiátrica em domicílio, abordando as dificuldades, as relações e as possibilidades de cuidado. O presente estudo servirá de subsidio para que os futuros profissionais de enfermagem reafirmem a necessidade de qualificação na área de saúde mental e no atendimento domiciliar.

Texto completo:

PDF


A abreviatura do periódico é e-Sci, o qual deve ser utilizado em bibliografias, notas de rodapé e para referências. ISSN: 1984-7688, Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil. Licença Creative Commons
Todo o conteúdo da e-Scientia, exceto quando identificado, está licenciado sob uma licença Creative Commons Atribuição 3.0 Não Adaptada.