DESENVOLVIMENTO DE UM SORVETE DE CHOCOLATE COM POTENCIAL FUNCIONAL: CARACTERIZAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA E MICROBIOLÓGICA

Layenne Caroline Oliveira de Andrade Marques, Juliana Aloy Pinheiro Antunes, Larissa Lovatto Amorin Gama

Resumo


Sorvete é uma mistura de diferentes ingredientes que após emulsão de proteínas e gorduras adquire consistência cremosa, sendo uma preparação altamente aceita pela população. O extrato hidrossolúvel de soja e a biomassa de banana verde possuem compostos bioativos, apresentando características funcionais importantes.  O objetivo deste estudo consistiu em desenvolver e caracterizar um sorvete de chocolate funcional produzido a partir de extrato hidrossolúvel de soja e biomassa da banana verde como ingredientes principais. Os parâmetros físico-químicos avaliados incluíram a composição química, o pH, sólidos totais e overrun. Para as análises microbiológicas foram determinadas a contagem total de micro-organismos aeróbios mesófilos, mofos e leveduras, coliformes a 35°C e a 45°C, contaminação por Bacillus cereus, Escherichia coli, Salmonella spp e Estafilococos coagulase positiva. Os resultados demonstraram pH=6,75; 19,57±0,02% de carboidratos; 2,67±0,02% de proteínas, 1,46±0,03% de gorduras totais; 3,55±0,021% de fibras totais; 0,67±0,01% de cinzas; 72,03±0,02% de umidade; 69,90 kcal/porção; 27,97% de sólidos totais e 20,22% de overrun. O produto se mostrou apto para o consumo, uma vez que as análises microbiológicas se mostraram em concordância com os padrões exigidos pela RDC 12/01 e pela Instrução Normativa 62/2003. A caracterização mostrou um produto viável e interessante do ponto de vista nutricional e tecnológico, agregando ingredientes funcionais à formulação, bem como mostrou um rigoroso controle micriobiológico. Ainda, pode ser consumido por indivíduos com restrições alimentares ou que buscam melhor qualidade na alimentação. Estudos adicionais devem ser realizados para investigar a aceitação por potenciais consumidores.


Palavras-chave


Sorvete; Alimento Funcional; Biomassa; Banana; Alimentos com soja

Texto completo:

PDF

Referências


AMERICAN DIABETES ASSOCIATION (ADA). Standards of Medical Care in Diabetes – 2017. Diabetes Care. The Journal of Clinical and Applied Research and Education, v. 40, sup. 1, p. S33-S43, 2017. Disponível em: Acesso em: 03 dez 2017.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS INDÚSTRIAS E DO SETOR DE SORVETES (ABIS). Produção e consumo de sorvetes no Brasil. 2017. Disponível em: Acesso em: 06 mar. 2016.

BALDISSERA, A. C. et al. Alimentos funcionais: uma nova fronteira para o desenvolvimento de bebidas protéicas a base de soro de leite. Semina: Ciências Agrárias, v. 32, n. 4, p. 1497-1512, 2011. Disponível em: Acesso em: 18 jun. 2016.

BERY, C. C. de S. et al. Aceitação sensorial e caracterização físico-química de sorvete sabor chocolate submetida ao congelamento rápido (-80°C) e lento (-18°C). In: XX Congresso Brasileiro de Engenharia Química, Florianópolis, 2014.

BOFF, C. G. E. Desenvolvimento de sorvete de chocolate utilizando fibra de casca de laranja como substituto de gordura. 2011. 59f. Monografia (Graduação em Engenharia de Alimentos) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2011. Disponível em: Acesso em: 11 jun. 2016.

BORGES, R. M. Produção de bebida fermentada a partir do extrato de soja (Glycine max) enriquecido com extrato de castanha-do-Brasil (Bertholletia excelsa). 2014. 32f. Monografia (Graduação em Agronomia) – Universidade de Brasília, Brasília, 2014. Disponível em: Acesso em: 11 jun, 2016.

BRASIL1. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução RDC nº 266 de 22 de setembro de 2005. Regulamento Técnico para Gelados Comestíveis e Preparados para Gelados Comestíveis. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 23 set. 2005. Disponível em: Acesso em: 05 jun. 2016

BRASIL2. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução RDC nº 267, de 25 de setembro de 2003. Regulamento Técnico de Boas Práticas de Fabricação para Estabelecimentos Industrializadores de Gelados Comestíveis e a Lista de Verificação das Boas Práticas de Fabricação para Estabelecimentos Industrializadores de Gelados Comestíveis. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 26 set. 2003. Disponível em: Acesso em 05 jun. 2016

BRASIL3. Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo. Coordenadoria de Controle de Doenças. Centro de Vigilância Sanitária. Portaria CVS 5, de 09 de abril de 2013. Aprova o Regulamento Técnico sobre Boas Práticas para Estabelecimentos Comerciais de Alimentos e para Serviços de Alimentação, e o roteiro de inspeção, anexo. Diário Oficial do Estado, São Paulo, SP, 19 abril 2013. Disponível em Acesso em 03/12/2017

BRASIL4. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução RDC nº 360, de 23 de dezembro de 2003. Aprova Regulamento Técnico sobre Rotulagem Nutricional de Alimentos Embalados, tornando obrigatória a rotulagem nutricional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 26 dez. 2003. Disponível em Acesso em 27/05/2016

BRASIL5. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução RDC nº 19, de 30 de abril de 1999. Regulamento de Procedimentos para Registro de Alimento com Alegação de Propriedades Funcionais e ou de Saúde em sua Rotulagem. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 10 dez. 1999. Disponível em: Acesso em: 06 mar. 2016

BRASIL6. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução RDC nº 12, de 02 de janeiro de 2001. Aprova o Regulamento Técnico sobre Padrões Microbiológicos para Alimentos. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 10 de jan. de 2001. Disponível em: Acesso em: 06 mar. 2016

BRASIL7. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Instrução Normativa n° 62, de 26 de agosto de 2003. Dispõe sobre os métodos analíticos oficiais para análises microbiológicas para controle de produtos de origem animal e água. Diário Oficial da União, DF, 18 de set. de 2003. Disponível em:

http://extranet.agricultura.gov.br/sislegis-consulta/consultarLegislacao.do?operacao=visualizar&id=2851> Acesso em 29 abr. 2016

BRASIL8. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Manual técnico de diagnóstico laboratorial de Salmonella spp.: diagnóstico laboratorial do gênero Salmonella. Fundação Oswaldo Cruz. Laboratório de Referência Nacional de Enteroinfecções Bacterianas, Instituto Adolfo Lutz. – Brasília: Ministério da Saúde, p. 60, 2011. Disponível em Acesso em 16 out. 2017.

CARPENTIERI-PIPOLO, V. UL 175 – Celeste: Nova linhagem de soja livre de lipoxigenases e inibidor de tripsina kunitz. In: XXXIV REUNIÃO DE PESQUISA DE SOJA, 2014, Londrina, PR. Resumos expandidos. Londrina: Embrapa Soja, p.129. Disponível em: Acesso em: 17 jun. 2016.

CARVALHO, H. V. M. de. As evidências dos benefícios do consumo das isoflavonas da soja na saúde da mulher: revisão de literatura. Journal of Health Sciences, v. 16, n. 4, 2015. Disponível em: < http://pgsskroton.com.br/seer//index.php/JHealthSci/article/view/397/373> Acesso em: 21 jun. 2016.

HOPPE, C. D.; MALLMANN, P. R.; OLIVEIRA, E> C. Determinação de umidade em balas duras e balas mastigáveis. Revista Destaques Acadêmicos, v. 7, n. 4, p. 185-192, 2015. Disponível em :< http://www.univates.br/revistas/index.php/destaques/ar ticle/view/1606/867> Acessado em 21 jun. 2016

DE PINHO, L. et al. Enriquecimento de sorvete com amêndoa de baru (Dipteryx Alata Vogel) e aceitabilidade por consumidores. Revista Unimontes Científica, v. 17, n. 1, p. 39-49, 2015. Disponível em:< http://www.ruc.unimontes.br/index.php/unicientifica/article/view/379/328> Acesso em: 11 jun. 2016.

EIKI, G. et al. Aceitação sensorial de sorvete a base de vegetais. Revista GEINTEC, v. 5, n. 4, p. 2569-2578, 2015. Disponível em: Acesso em: 06 mar. 2016.

FERNANDES, D. S. Adição de maltodextrina e farelo de mandioca na formulação de sorvetes. 2016. 99f. Dissertação (Mestrado em Agronomia) – Faculdade de Ciências Agronômicas, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Botucatu. 2016. Disponível em: < http://www.pg.fca.unesp.br/Teses/PDFs/Arq1403.pdf> Acesso em: 11 mai. 2016.

FERNÁNDEZ, L. C. Desenvolvimento de sorvetes probióticos à base de extrato solúvel de soja. 2015. 89f. Dissertação (Mestrado em Ciências), Escola de Engenharia de Lorena, Universidade de São Paulo, Lorena. 2015. Disponível em: Acessado em 18 jun. 2016

GIACOBBO, L. F. Elaboração e caracterização de biscoitos tipo cookies com farinha mista de trigo, de soja e de banana verde. 2013. 97f. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Alimentos) – Departamento de Ciências Agrárias, Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões, Erechim. 2013. Disponível em:

Acesso em: 09 jul. 2016.

INSTITUTO ADOLFO LUTZ. Normas analíticas do Instituto Adolfo Lutz: Métodos químicos e físicos para análise de alimentos. 4 ed. Brasília: Ministério da Saúde, Agência Nacional de Vigilância Sanitária, 2005. 1018 p. (Série A – Normas e Manuais Técnicos)

JUNQUEIRA, G.; ALVES, J. G. L. F.; BERNAL, O. L. M. Informações nutricionais de sorvetes cremosos por bromatologia e por cálculo indireto. In: XXIII Congresso de Pós-Graduação da Universidade Federal de Lavras, 2014, Lavras. Disponível em: < https://drive.google.com/drive/folders/0BzYvB8lh0kz-Y1dNUlNHMEdPWjQ > Acesso em: 24 jun. 2016.

KASSADA, A. T. et al. Sorbet a base de caldo de cana saborizado artificialmente. Revista GEINTEC, v. 5, n. 1, p. 1716-1725, 2015. Disponível em: < http://www.revistageintec.net/index.php/revista/article/view/359> Acesso em: 20 mai. 2016.

KUBA, E. E. Desenvolvimento de uma sobremesa probiótica mista de tofu e extrato hidrossolúvel de soja fermentado. 2013. 71f. Dissertação (Mestrado em Alimentos e Nutrição) – Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Faculdade de Ciências Farmacêuticas, Araraquara. 2013. Disponível em: Acesso em: 18 jun. 2016.

LAMOUNIER, M. L. Sorvete a base de preparado em pó. 2012. 103 f. Dissertação (Mestrado em Ciência e Tecnologia de Alimentos) - Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, Universidade de São Paulo, Piracicaba. 2012. Disponível em:

Acesso em 20 mai. 2016

MAIESKI, L. M. Os principais micro-organismos patogênicos que afetam a qualidade do leite. 2011. 35f. Trabalho de Conclusão de Curso (Especialista em Produção, Tecnologia e Higiene de Alimentos de Origem Animal) – Faculdade de Veterinária, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre. 2011. Disponível em: Acesso em 18 jun. 2016

MELO, M. E. D. Processo industrial do queijo mussarela. 2015. 42f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Química Industrial) – Departamento de Química Industrial, Universidade Estadual da Paraíba, Campina Grande. 2015. Disponível em: Acesso em 09 jul. 2016

MONTANHINI, M. T. M. Caracterização fenotípica e genotípica de Bacillus Cereus isolado em produtos lácteos com relação ao seu comportamento psicrotrófico. 2012. 80f. Tese (Doutorado em Tecnologia de Alimentos) – Setor de Tecnologia, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2012. Disponível em: < http://acervodigital.ufpr.br/bitstream/handle/1884/27406/R%20-%20T%20-%20MONTANHINI%2c%20MAIKE%20TAIS%20MAZIERO.pdf?sequence=1&isAllowed=y> Acesso 17 jun. 2016

NESTLÉ. Sorvetes Nestlé. Nestlé Brasil Ltda, 2014. Disponível em:< https://www.nestle.com.br/marcas/sorvetes-nestle-marcas> Acesso em 22 jun. 2016

OI, R. K.; TAMBOURGI, E. B.; MORAES JUNIOR, D. Estudo da Secagem da Biomassa de Banana Verde em Spray Dryer. ENGEVISTA, v. 14, n. 2,

p. 165-171, 2011. Disponível em: Acesso em 06 mar. 2016

PAULA, C. M. Utilização de bactérias do grupo Lactobacillus casei no desenvolvimento de sorvete potencialmente probiótico de leite de cabra e polpa de cajá (Spondias mombin). 2012. 84f. Dissertação (Mestrado em Tecnologia de Alimentos) – Faculdade de Ciências Farmacêuticas, Universidade de São Paulo, São Paulo. 2012. Disponível em: Acesso em 26 jun. 2016

QUEIROZ, K. C.;SILVA, I. N.; ALFENAS, R. C. G. Associação entre fatores nutricionais e o controle glicêmico de crianças e adolescentes com diabetes melito tipo 1. Arquivos Brasileiros de Endocrinologia e Metabologia, v. 54, n. 3, p.319-325, 2010.

SABATINI, D. R. et al. Composição centesimal e mineral da alfarroba em pó e sua utilização na elaboração e aceitabilidade em sorvete. Alimentos e Nutrição. v. 22, n. 1, p. 129-136, 2011. Disponível em: Acesso em 11 mai. 2016

PEREIRA, G. et al. Influência do pH nas características físico-químicas e sensoriais de frozen yogurt de morango. Semina: Ciências Agrárias,

v. 33, n. 2, p. 675-686, 2012. Disponível em: < http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/semagrarias/article/view/6806/10451> Acesso em 18 jun. 2016

RANIERI, L. M.; DELANI, T. C. O. Banana Verde (Musa spp): Obtenção da biomassa e ações fisiológicas do amido resistente. Revista UNINGÁ,

v. 20, n. 3, p. 43-49, 2014. Disponível em: Acesso em 06 mar. 2016

SANTOS, R. D. et al. Sociedade Brasileira de Cardiologia. I Diretriz sobre o consumo de gorduras e saúde cardiovascular. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, v. 100, n. 1, p. 1-40, 2013. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/abc/v100n1s3/v100n1s3a01.pdf> Acesso em 22 jun. 2016

SANTOS, T. C.; VERONA, V. Avaliação microbiológica e química de sorvetes de sabor creme comercializados na cidade de Francisco Beltrão–PR. 2014. 53f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Tecnologia em Alimentos) – Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Francisco Beltrão. 2014. Disponível em: Acesso em 17 jun. 2016

SILVA, N. et al Manual de métodos de análise microbiológica de alimentos. 3. ed. São Paulo: Livraria Varela, p.552, 2007.

TONET, A. et al. Qualidade microbiológica de sorvetes e caldas pasteurizadas produzidos artesanalmente em uma cidade do estado do Paraná. Revista Brasileira de Pesquisa em Alimentos, v. 2, n. 2, p. 96-103, 2011. Disponível em: < https://www.researchgate.net/profile/Alessandra_Ribeiro12/publication/275606109_Microbiological_quality_of_artisanal_ice_cream_and_pasteurized_syrup_produd_in_a_city_of_Paran_State_Brazil/links/560142b708aeba1d9f84f2b1.pdf> Acesso em 18 jun. 2016

TRUCOM, C. Os principais componentes da soja. In____. Soja: Nutrição e Saúde. 1ª ed. São Paulo: Editora Alaúde, 2008. Cap. 3, p. 21-37.

VALLE, H. F.; CAMARGOS, M. Yes, nós temos bananas. Histórias e receitas com biomassa de banana verde. 3. ed. São Paulo: Senac SP, 2003. 256p.




A abreviatura do periódico é e-Sci, o qual deve ser utilizado em bibliografias, notas de rodapé e para referências. ISSN: 1984-7688, Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil. Licença Creative Commons
Todo o conteúdo da e-Scientia, exceto quando identificado, está licenciado sob uma licença Creative Commons Atribuição 3.0 Não Adaptada.