MEDIDAS SUSTENTÁVEIS NO MERCADO DE CAFÉ EM DOSE ÚNICA

Eduardo Cesar Silva, Angélica da Silva Azevedo, Luiz Gonzaga Castro Junior

Resumo


O café é uma das bebidas mais consumidas no mundo. Desde o século XIX, o consumo da bebida cresce apoiado por inovações tecnológicas. Uma dessas inovações consiste nas máquinas de café em dose única. No entanto, essa tecnologia causa danos ao meio ambiente devido aos materiais utilizados na fabricação das cápsulas, fato que preocupa ativistas, políticos e consumidores. Diante deste cenário, o presente artigo analisa as inovações sustentáveis que a indústria do café tem desenvolvido para lidar com o problema. Para isso, foram analisadas qualitativamente as estratégias de sete marcas de café em dose única. Os resultados mostraram que as empresas líderes do setor optaram pelo desenvolvimento de estratégias de reciclagem das cápsulas usadas. Por outro lado, apenas duas marcas possuem estratégias abrangentes de reciclagem. Os principais pontos fracos da reciclagem são a logística e dependência da iniciativa dos consumidores. Outra solução encontrada por marcas menores é a utilização de material compostável. Nesse caso, também há limitações, como a necessidade uma usina de compostagem.

 

ABSTRACT

Coffee is one of the most consumed beverages in the world. Since the 19th century, technological innovations have boosted coffee consumption. The single cup coffee machines are one of these innovations. However, this technology causes damage to the environment due to the materials used in the coffee pods manufacture, an issue that worries activists, politicians and consumers. Given this scenario, the present article analyzes the sustainable innovations that the coffee industry has developed to deal with the problem. For this, the strategies of seven brands of single cup coffee were analyzed qualitatively. The results showed that leading companies in the sector opted for recycling strategies for used coffee pods. On the other hand, only two brands have comprehensive recycling strategies. The main weaknesses of recycling are logistics and dependence on consumer initiative. Another solution, found by smaller brands, is the use of compostable materials in single cups manufacture. In this case, there are also limitations, such as the need for a composting plant.


Palavras-chave


Reciclagem. Cápsulas de café. Inovação Sustentável.

Texto completo:

PDF

Referências


ABIC - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS INDÚSTRIAS DO CAFÉ. Indicadores da Indústria – 2014. 2015. Disponível em < http://abic.com.br/estatisticas/indicadores-da-industria/indicadores-da-industria-2014/>. Acesso em 11 set. 2016.

ALBACH, D.; RAZERA, D.; ALVES, J. L. Design para a sustentabilidade e a relação histórica das embalagens com questões ambientais. MIX Sustentável, v. 2, n. 1, p. 45-52, 2016. Disponível em . Acesso em: 15 set. 2016. ISSN 24473073.

ALMEIDA, F. O bom negócio da sustentabilidade. 1. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2002. 191 p. ISBN 85-209-1266-4.

ALUMINIUM STEWARDSHIP INITIATIVE. ASI’s objectives. 2016. Disponível em . Acesso em 12 set. 2016.

BARBIERI, J. C. Gestão ambiental empresarial: conceitos, modelos e instrumentos. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 2007. 382 p. ISBN 978-85-02-05952-8.

BBC NEWS. Is there a problem with coffee capsules? BBC News, 19 fev. 2016. Disponível em . Acesso em 12 set. 2016.

BORA, S. M.; FURLANETTO, E. L. Determinantes das inovações sustentáveis na base da pirâmide: um estudo em organizações brasileiras. In: XVII ENGEMA, 2015, São Paulo. Anais do XVII ENGEMA. 2015. São Paulo: Universidade de São Paulo, 2015. p. 1-15. Disponível em < http://engemausp.submissao.com.br/17/anais/resumo.php?cod_trabalho=401>. Acesso em 13 set. 2016.

BOSSLE, M. B.; BARCELLOS, M. D.; VIEIRA, L. M. Why food companies go green? The determinant factors to adopt eco-innovations. British Food Journal, v. 118, n. 6, p. 1317-1333, 2016. Disponível em . Acesso em 12 set. 2016. ISSN 0007-070X.

BPI - BIODEGRADABLE PRODUCTS INSTITUTE. The Compostable Logo. Nova York: Biodegradable Products Institute, 2016. Disponível em . Acesso em 12 set. 2016.

BRUNTLAND, G. H. (editor). Our Common Future: The World Commission on Enviroment and Development. Oxford: Oxford University Press, 1987. Disponível em < http://www.un-documents.net/our-common-future.pdf>. Acesso em 10 set. 2016.

BRÜSEKE, F. J. O problema do desenvolvimento sustentável. In: CAVALCANTI, C. Desenvolvimento e natureza: estudos para uma sociedade sustentável. São Paulo: Cortez, 1995. Disponível em . Acesso em 12 set. 2016. ISBN 85-249-0572-7.

CARPENTER, M. A Coffee Conundrum. The New York Times, 03 ago. 2010. Disponível em . Acesso em 12 set. 2016.

CARRILLO-HERMOSILLA, J.; DEL RÍO, P.; KÖNNÖLÄ, T. Diversity of eco-innovations: Reflections from selected case studies. Journal of Cleaner Production, v. 18, n. 10, p. 1073-1083, jul. 2010. Disponível em . Acesso em 11 set. 2016. ISSN 0959-6526.

COFFEE CLUB. PurPod100. 2016. Disponível em < http://purpod100.com/>. Acesso em 12 set. 2016.

CLOSED LOOP FUND. About CLF. Closed Loop Fund, 2016. Disponível em . Acesso em 13 set. 2016.

COMISSÃO EUROPEIA. Cip eco-innovation first application and market replication projects. 2013. Disponível em < http://ec.europa.eu/environment/eco-innovation/files/docs/faq/faq-call-2013.pdf>. Acesso em 15 set. 2016.

CUNHA, J. Febre das cápsulas de café não é acompanhada pela reciclagem. Folha de S. Paulo, 24 jan. 2016. Disponível em . Acesso em 12 set. 2016.

DANGELICO, R. M.; PUJARI, D. Mainstreaming green product innovation: why and how companies integrate environmental sustainability. Journal of Business Ethics, v. 95, n. 3, p. 471-486, set. 2010. Disponível em . Acesso em 15 set. 2016. ISSN 0167-4544.

DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO. Estudos avançados, São Paulo, v. 6, n. 15, ago. 1992, p. 153-159. Disponível em . Acesso em 15 set. 2016. ISSN 1806-9592.

ETHICAL COFFEE COMPANY. Biodegrability. Ethical Cooffee Company, 2016. Disponível em . Acesso em 12 set. 2016.

EUROMONITOR. Coffee Market Share by Company. Euromonitor, 2016. Disponível em < http://www.euromonitor.com/> (assinatura). Acesso em 11 set. 2016.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002. 175 p. ISBN 85-224-3169-8.

GUNTHER, M. The good, the bad and the ugly: sustainability at Nespresso. The Guardian, 27 maio 2015. Disponível em . Acesso em 12 set. 2016.

HALL, J.; VREDENBURG, H. The challenges of innovating for sustainable development. Mit Sloan Management Review, v. 45, n. 1, p. 61-68, out. 2003. Disponível em . Acesso em 13 set. 2016. ISSN 1532-9194.

HAMBLIN, J. A Brewing Problem. The Atlantic, 2 mar. 2015. Disponível em . Acesso em 12 set. 2016.

HOBSBAWM, E. A Era dos Extremos: O breve século 1914 – 1991. 2º edição. São Paulo: Companhia das Letras, 1995. 632 p. ISBN 5-7164-468-3

HOPWOOD, B.; MELLOR, M.; O'BRIEN, G. Sustainable development: mapping different approaches. Sustainable Development, v.13, n. 1, p. 38-52, fev. 2005. Disponível em < https://www.researchgate.net/publication/227650585_Sustainable_Development_Mapping_Different_Approaches>. Acesso em 11 de set. 2016. ISSN 1099-1719.

INTERNATIONAL COFFEE ORGANIZATION. Monthly Coffee Market Report: May 2012. 2012. Disponível em . Acesso em 29 ago. 2016.

INTERNATIONAL COFFEE ORGANIZATION. Coffee Market Report: July 2015. 2015. Disponível em . Acesso em 29 ago. 2016.

JACOBS DOUWE EGBERTS. Corporate Responsibility. 2016. Disponível em < https://www.jacobsdouweegberts.com/CR/>. Acesso em 10 set. 2016.

KALE, G.; AURAS, R.; SINGH, S. P. Degradation of commercial biodegradable packages under real composting and ambient exposure conditions. Journal of Polymers and the Environment, v. 14, n. 3, p. 317-334, jul. 2006. Disponível em . Acesso em 01 set. 2016. ISSN 1572-8900.

KEMP, R.; SMITH, K.; BECHER, G. How should we study the relationship between environmental regulation and innovation? In: European Commission JRC-IPTS and Enterprise DG. The impact of EU regulation on innovation of European Industry. 2000. Disponível em . Acesso em 14 set. 2016.

KEURIG GREEN MOUTAIN. Sustainability Report: Fisca Year 2015. 2016a. Disponível em < http://www.keuriggreenmountain.com/~/media/Sustainability/PDF/ReportsDisclosures/KeurigSustainabilityReport_2015.ashx>. Acesso em 10 set. 2016.

KEURIG GREEN MOUNTAIN. Sustainability. 2016b. Disponível em < http://www.keuriggreenmountain.com/en/Sustainability/Overview.aspx>. Acesso em 10 set. 2016.

KILL THE K-CUP. 2015. Disponível em . Acesso em 10 set. 2016.

KNEIPP, J. M. et al. Emergência temática da inovação sustentável: uma análise da produção científica através da base web of science. Revista de Administração da UFSM, v. 4, n. 3, p. 442-457, set/dez. 2011. Disponível em . Acesso em 10 set. 2016. ISSN 1983-4659.

KÜÇÜKOĞLU, M. T.; PINAR, R. I. Positive Influences of Green Innovation on Company Performance. Procedia-Social and Behavioral Sciences, v. 195, p. 1232-1237, jul. 2015. Disponível em . Acesso em 10 set. 2016. ISSN 1877-0428.

KW PLASTICS. About us. KW Plastics, 2016. Disponível em < http://www.kwplastics.com/about-us/>. Acesso em 13 set. 2016.

MEADOWS, D. H. et al.. The Limits to Growth. New York: Universe Books, 1972. 205 p. ISBN 0-87663-165-0.

MOREIRA, J. L.; LIMA, L. G. R.; TÓTARO, L. S. Empreendedorismo sustentável: o valor de negócios ambientais. Revista e-xacta, v. 6, n. 2, p. 177-189, 2014. Disponível em < http://revistas.unibh.br/index.php/dcet/article/view/1083/628>. Acesso em 10 set. 2016. ISSN 1984-3151

NATIONAL COFFEE ASSOCIATION. Coffee is americans’ favored daily beverage next to water. National Coffee Association, 2015. Disponível em . Acesso em 29 ago. 2016.

NESTLÉ. Nestlé in Society Creating Shared Value and meeting our commitments 2015. 2016. Disponível em < http://www.nestle.com/asset-library/documents/library/documents/corporate_social_responsibility/nestle-csv-full-report-2015-en.pdf>. Acesso em 10 set. 2016.

NIDUMOLU, R., PRAHALAD, C. K., RANGASWAMI, M. R. Why Sustainability Is Now the Key Driver of Innovation. Havard Business Review, v. 87, n. 9, p. 27-34, set. 2009. Disponível em < https://hbr.org/2009/09/why-sustainability-is-now-the-key-driver-of-innovation>. Acesso em 10 set. 2016. ISSN 0017-8012.

OLIVEIRA, M. M. Como fazer pesquisa qualitativa. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 2007. 192 p. ISBN 9788532633774.

ORGANISATION FOR ECONOMIC CO-OPERATION AND DEVELOPMENT (OECD). Manual Oslo: guidelines for collecting and interpreting innovation data. 3° edição. Paris: OECD Publishing, 2005. Disponível em . Acesso em: 14 set. 2016.

ORGANISATION FOR ECONOMIC CO-OPERATION AND DEVELOPMENT (OECD). Sustainable Manufacturing and Eco innovation: Towards a Green Economy. Paris: Policy Brief, 2009. Disponível em . Acesso em 14 set. 2016.

PENDERGRAST, M. Uncommon Grounds: The History of Coffee and How it Transformed our World. New York: Basic Books, 2010. 480 p. ISBN 978-0-465-01836-9.

RAMUS, C. A. Encouraging innovative environmental actions: what companies and managers must do. Journal of world business, v. 37, n. 2, p. 151-164, 2002. Disponível em . Acesso em 11 set. 2016. ISSN 1090-9516.

RESOURCE RECYCLING SYSTEMS. About us. Resource Recycling Systems, 2016. Disponível em . Acesso em 13 set. 2016.

SANTOS, P. H. A.; SILVA, E. C.; CASTRO JUNIOR, L. G. Introdução ao mercado de café em dose única e perspectivas para o Brasil, 2012. Disponível em . Acesso em 12 set. 2016.

SILVA, E. C. et al. Governança privada e sustentabilidade na indústria do café. In: XVII ENGEMA, 2015, São Paulo. Anais do XVII ENGEMA. 2015. São Paulo: Universidade de São Paulo, 2015. Disponível em . Acesso em 14 set. 2016.

SILVA, F. E. N. et al. Azulejaria sustentável. Revista e-xacta, v. 4, n. 2, p. 97-102, 2011. Disponível em . Acesso em 10 set. 2016. ISSN 1984-3151

SCHUMPETER, J. A. Teoria do Desenvolvimento Econômico: uma investigação sobre lucros, capital, crédito, juros e o ciclo econômico. São Paulo: Nova Cultural, 1997. 237 p. ISBN 85-351-0915-3.

SUSTAINABLE PACKAGING COALITION. Who we are. Sustainable Packaging Coalition, 2016. Disponível em . Acesso em 13 set. 2016.

TERRACYCLE. The Tassimo Recycling Programme. Terracycle, 2016a. Disponível em . Acesso em 12 set. 2016.

TERRACYCLE. Nescafé Dolce Gusto Capsule Recycling Program. Terracycle, 2016b. Disponível em . Acesso em 12 set. 2016.

TERRACYCLE. Nescafé Dolce Gusto Capsule Recycling Programme. Terracycle, 2016c. Disponível em . Acesso em 12 set. 2016.

THE DECLARATION OF COCOYOC. World Development, v. 3, n. 2-3, fev/mar. 1975, p. 141-148. Disponível em < http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/0305750X75900443>. Acesso em 13 set. 2016. ISSN 0305-750X

VAN BELLEN, H. M. Indicadores de sustentabilidade: um levantamento dos principais sistemas de avaliação. Cadernos EBAPE.BR, n.1, v. II, mar. 2004. Disponível em . Acesso em 14 set. 2016. ISSN 1679-3951.




DOI: http://dx.doi.org/10.18674/exacta.v10i2.2117

ISSN 1984-3151