DESENVOLVIMENTO E CARACTERIZAÇÃO DE PÃO SEM GLÚTEN À BASE DE FARINHA DE VEGETAIS

Paloma Souza Pires, Gustavo Silva Levatti Quadros, Gabriella Giani Pieretti Gadelha

Resumo


A Doença Celíaca (DC) é caracterizada por um processo inflamatório no intestino delgado ocasionado pela presença de um composto heterogêneo formado por gliadinas e gluteninas que, basicamente, são proteínas de armazenamento do trigo designadas como glúten. A deficiência em relação à disponibilidade e acesso a produtos isentos de glúten caracteriza uma situação de insegurança alimentar e nutricional do indivíduo celíaco e, devido à dificuldade encontrada por esse público em adquirir produtos básicos que atendam às suas necessidades, o presente trabalho teve como objetivos elaborar farinhas a partir da secagem dos vegetais: beterraba, cenoura e espinafre, desenvolver três formulações de pães sem glúten à base do produto farináceo desses vegetais e realizar a caracterização sensorial - utilizando métodos instrumentais - físico-química e microbiológica. Três formulações foram desenvolvidas e realizaram-se análises físico-químicas de umidade, atividade de água, cinzas, proteínas, fibra alimentar, lipídeos, acidez, pH e carboidratos. Dentre elas, observou-se que o pão de beterraba obteve o maior percentual de umidade e proteína. O pão de espinafre destacou-se pelo alto teor de cinzas, evidenciando seu alto valor nutricional em relação aos minerais. Já o pão de cenoura obteve o menor percentual de lipídeos. As análises instrumentais de cor e textura estão de acordo com o obtido por outros autores que estudaram pães sem glúten. Como critério de segurança, realizou-se análises microbiológicas de coliformes a 45 °C e Salmonella sp. O pão sem glúten à base de farinha de vegetais pode ser uma opção para agregar valor nutricional à alimentação dos pacientes celíacos.

 

ABSTRACT

Celiac Disease (DC) is characterized by an inflammatory process in the small intestine caused through the presence of a heterogeneous compound formed by gliadins and glutenins, which are basically wheat storage proteins called gluten. The deficiency in the availability and access to gluten-free products characterizes a situation of food and nutritional insecurity of the celiac individual and, due to the difficulty encountered by this public in acquiring basic products that meet their needs, the present work had as objectives to elaborate flours from the drying of the vegetables:  beet, carrot and spinach flour, to develop three gluten-free bread formulations based on the farinaceous product of these vegetables and to perform the sensorial characterization - using instrumental methods - physical-chemical and microbiological. Three bread formulations were developed, and physical-chemical analyzes of moisture, water activity, ashes, proteins, dietary fiber, lipids, acidity, pH and carbohydrates were carried out. Among them, it was observed that the beet bread obtained the highest percentage of moisture and protein. The spinach bread was distinguished due the fact of the high ash content, evidencing its high nutritional value in relation to the minerals. Carrot bread, on the other hand, obtained the lowest percentage of lipids, that is, with less fat content. The instrumental analyzes of color and texture are in agreement with the one obtained by other authors who studied gluten-free breads. As a safety criterion, microbiological analyzes of coliforms at 45 °C and Salmonella sp. Gluten-free bread based on vegetable meal may be an option to add nutritional value to the diet of celiac patients.


Palavras-chave


Doença Celíaca. Farinha de Vegetais. Pão.

Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, A. A importância da inovação tecnológica na indústria de alimentos: um estudo de caso numa empresa de grande porte. In: XXXII ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. 2012. Disponível em: . Acesso em: 30 de mar. 2015.

BLIGH, E. G.; DYER, W. J. A rapid method of total lipid extraction and purification. Can. J. Biochem. Physiol., 1959. p.911-917.

Brasil. Ministério da Saúde. (2001). Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução - RDC nº 12, de 02 de janeiro de 2001. Aprova o regulamento técnico sobre padrões microbiológicos para alimentos.

BRASIL. Ministério da Saúde. Resolução CNNPA nº12, de 24 de julho de 1978: aprova as seguintes normas técnicas especiais, do Estado de São Paulo, revistas pela CNNPA, relativas a alimentos (e bebidas), para efeito em todo território brasileiro.

BRASIL. RDC nº 90, de 18 de outubro de 2000. Aprova o Regulamento Técnico para Fixação de Identidade e Qualidade de Pão. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 20 out. 2000. Disponível em: 12 set. 2015. Acesso em: 20 de ago. 2015.

CELESTINO, S. M. C. Princípios de Secagem de Alimentos. Planaltina, DF: Embrapa Cerrados, 2010. Disponível em: . Aceso em: 28 de mar. 2015.

CESAR, A. S. et al.. Elaboração de pão sem glúten. Revista Ceres, 53 (306), 150-155, 2006.

CLEIRICI, M. T. P. S. Farinha extrusada de arroz como substituto de glúten na produção de pão de arroz. Engenharia de Alimentos. 2005; Campinas, S.P. Brasil.

COMISSION INTERNATIONALE DE L’ECLAIRAGE - CIE. CIE Publication 15.2. Viena: Central Bureau of the CIE, 1986.

DIMANCESCU, D.; DWENGER, K. O segredo do lançamento de produtos. HSM Management, n. 4, 1997.

DOWNES, F. P., & ITO, K. (2001). Compendium of Methods For the Microbiological Examination of Foods. (4th Ed.). Washington, DC: American Public Health Association.

ESTELLER, M. S.; LANNES, S. C.S. Parâmetros complementares para fixação de identidade e qualidade de produtos panificados. Cienc. Tecnol. Alim., Campinas, v.25, n. 4, p.802-806, Oct./Dec. 2005.

GUTKOSKI, L. C. et al.. Efeito de melhoradores nas propriedades reológicas e de panificação da massa de farinha de trigo. Ciência e Tecnologia de Alimentos. 1997; 17(1)11-16.

INSTITUTO ADOLFO LUTZ, 1985. Normas Analíticas do Instituto Adolfo Lutz. v. 1: Métodos químicos e físicos para análise de alimentos, 3. ed. São Paulo: IMESP, 1985. p. 27.

KOWASLKI, M. B.; CARR, L. G.; TADINI, C. C. Parâmetros físicos e de textura de pão francês produzido na cidade de São Paulo. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS, 18, 2002, Porto Alegre. Anais ... Porto Alegre: SBCTA, 2002. p.3133-3136.

LAZARIDOU, A. et al.. Effects of hydrocolloids on dough rheology and bread quality parameters in gluten-free formulations. Journal of Food Engineering, v.79, n.3, p.1033-1047, 2007.

MACHADO, L. M. P. Pão sem glúten: otimização de algumas variáveis de processamento. Campinas, 1996. Tese de Mestrado em Tecnologia de Alimentos. Faculdade de Engenharia de Alimentos. Universidade Estadual de Campinas. 186p.

NADAL, J., 2013. Desenvolvimento e caracterização de pão sem glúten tipo francês. Curitiba, 2013. Tese de Mestrado em Segurança Alimentar e Nutricional. Setor de Ciências da Saúde. Universidade Federal do Paraná. 101p., p. 47. Disponível em: . Acesso em: 13 de ago. 2015.

PAGLIARINI, E.; LAUREATI, M.; LAVELLI, V., 2010. Sensory evaluation of gluten-free breads assessed by a trained panel of celiac assessors. European Food Research and Technology, v.231, n.1, p.37-46, 2010.

PAGLIARINI, E.; LAUREATI, M.; LAVELLI, V., 2012. Sensory and hedonic perception of gluten-free bread: Comparison between celiac and non-celiac subjects. Food Research International, v.46, n.1, p.326-333, 2012.

REIS, N. L. N., 2015. Desenvolvimento de um mix para pão sem glúten: efeito do amido de arroz nativo e modificado nas propriedades reológicas e de textura. Tese de Mestrado em Empreendedorismo e Inovação na Indústria Alimentar. Instituto Politécnico de Viana do Castelo. 97p.

SCHAMNE, C., 2007. Obtenção e caracterização de produtos panificados livres de glúten. Ponta Grossa, 2007. Tese de Mestrado em Ciência e Tecnologia de Alimentos. Universidade Estadual de Ponta Grossa. 140p., p. 119. Disponível em: . Acesso em: 13 de ago. 2015.

SOUZA FILHO, M. S.; NANTES, J. F. D. N. O QFD e a análise sensorial no desenvolvimento do produto na indústria de alimentos: Perspectivas para futuras pesquisas. XI SIMPEP -Bauru, SP, Brasil, 2004.

ZANATTA, C. L.; SCHLABITZ, C.; ETHUR, E. M. Avaliação físico química e microbiológica de farinhas obtidas a partir de vegetais não conformes à comercialização. Alim. Nutr., Araraquara, 21(3), 459-468, 2010.




DOI: http://dx.doi.org/10.18674/exacta.v11i1.2218

ISSN 1984-3151