ELEMENTOS, FINALIDADES E CONSEQUÊNCIAS DA SUPEREXPOSIÇÃO DE USUÁRIOS NAS REDES SOCIAIS

Thatyane Gama Carvalho, Bruna Muniz dos Santos, Demóstenes Silva de Araújo

Resumo


A superexposição nas redes sociais é uma forma de entretenimento que envolve fatores socioculturais e raízes teóricas para serem debatidos. O artigo tem como ideia central discutir os elementos que mantém as redes sociais e as finalidades dos usuários ao ingressarem nesses ambientes virtuais, abordando, inclusive, as consequências ocasionadas pela publicação de conteúdos.

Abstract

Overexposure on social networks is a form of entertainment that involves sociocultural factors and theoretical roots to be debated. The main idea of the article is to discuss the elements that maintain the social networks and the purposes of the users when entering these virtual environments, including the consequences caused by the publication of contents.


Palavras-chave


Redes sociais. Superexposição. Comunidade. Atores. Ciberespaço

Texto completo:

PDF

Referências


BAUMAN, Zygmunt. Vida para consumo: a transformação das pessoas em mercadorias. Tradução: Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2008, 190p.

BRITO, D. S.; MALHEIROS, T. C.. A importância das mídias sociais e das ferramentas gratuitas do google no mercado de e-commerce no Brasil para microempresas. C@LEA – Revista Cadernos de Aulas do LEA, Ilhéus, n. 2, p. 1 – 18, nov. 2013.

CASTELLS, Manuel. A Sociedade em Rede: a era da informação - economia, sociedade e cultura. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

DEBORD, Guy. A sociedade do espetáculo e Comentários sobre a sociedade do espetáculo. Trad. bras. Estela dos Santos Abreu. Rio de Janeiro: Contraponto, 1997.

FERREIRA, R. da S.. Perigos e riscos da superexposição na sociedade da informação: reflexões sobre a ciberviolência. Rev. digit. bibliotecon. cienc. inf.. Campinas, São Paulo. v.12 n.3. set/dez. 2014. p.42-58.

FITZSIMONS, S.; Fuller, R.; Empowerment and its implications for clinical practice in mental health: a review. J Ment Health. 2002; 11(5):481-99. In: SOARES, M.H.; Bueno S.M.V.. Saúde mental: novas perspectivas. São Paulo: Yendis; 2011.

FREDERICO, Ce.. Debord: do espetáculo ao simulacro. MATRIZes Ano 4 – Nº 1 jul./dez. 2010 - São Paulo - Brasil – CELSO FREDERICO p. 179-191.

GRANOVETTER, M. The stength of weak ties: a network theory revisited. Sociological Theory, v. 1, p. 203-233, 1983.

GRANOVETTER, M. The stength of weak ties. The American Journal of Sociology, v. 78, n. 6, p. 1360-1380, maio 1973.

HEWITT, Hugh, 1956 – Blog: entenda a relovução que vai mudar o seu mundo/ Hugh Hewitt; Tradução de Alexandre Martins Morais. - Rio de Janeiro: Thomas Nelson, 2007.

IBGE. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios. Acesso à internet e à televisão e posse de telefone móvel celular para uso pessoal : 2015 / IBGE, Coordenação de Trabalho e Rendimento. – Rio de Janeiro : IBGE, 2016. 87 p. Disponível em: . Acesso em: 25 de fevereiro de 2017.

JÚNIOR, F. C.. A Fotografia e a Moda das Selfies: Uma Análise da Evolução do Autorretrato. In: Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, 38., 2015, Rio de Janeiro. Anais… UFMG.

MARTINS, P. H.. As redes sociais, o sistema da dádiva e o paradoxo sociológico. UFPE. 2008.

MIRANDA, L. A.. Corpo para mostrar: O autorretrato nas redes sociais. UEFS. 2012.

VERMELHO, S. C.; VELHO, A. P. M.; BERTONCELLO, V. .Sobre o conceito de redes sociais e seus pesquisadores. Educ. Pesqui., São Paulo, Ahead of print, abr. 2015.

OTONI, A. C.. Brasileiros gastam 650 horas por mês em redes sociais. Oglobo. 2015. Disponível em: . Acesso em: 1 de março de 2017.

RECUERO, R.. Redes sociais na internet /Raquel Recuero. - Porto Alegre: Sulina, 2010. (Coleção Cibercultura). 191 p.

RIBEIRO, L.. Quais são as redes sociais mais usadas no Brasil. Marketing de conteúdo. 2016. Disponível em: . Acesso em: 28 de fevereiro de 2017.

SOARES, M.H.; Bueno S.M.V.. Saúde mental: novas perspectivas. São Paulo: Yendis; 2011.

VERMELHO, S. C.; VELHO, A. P. M.; BERTONCELLO, V.. Sobre o conceito de redes sociais e seus pesquisadores. Educ. Pesqui., São Paulo, Ahead of print, abr. 2015.

WOLTON, D.. Internet, e depois? Uma teoria crítica das novas mídias/ Dominique Wolton; trad. Isabel Crossetti – Porto Alegre: Sulina – 2ª Edição, 2007. - (Coleção Cibercultura). 231 p.




Direitos autorais 2018 Thatyane Gama Carvalho, Bruna Muniz dos Santos, Demóstenes Silva de Araújo

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

 

NOVA CHAMADA | e-COM

Até o dia 1º de julho de 2018, a revista e-Com (www.unibh.br/revistas/ecom) recebe artigos, resenhas, tradução e entrevistas para sua próxima edição

(v. 11/nº 1/2018).

 

O dossiê do próximo número terá, como editora convidada, a professora e pesquisadora Lorena Tárcia (UniBH).

DOSSIÊ 

 “NARRATIVAS TRANSMIDIÁTICAS E/OU MULTIPLATAFORMAS:

CONCEITOS, CASES E PRODUTOS”

 

Maurício Guilherme Silva Jr.

Editor da revista e-Com

 

Lorena Tárcia

Editora convidada

 

[ecom@unibh.br | www.unibh.br/revistas/ecom]

Normas da publicação


1. A revista e-Com (www.unibh.br/revistas/ecom) aceita artigos, resenhas e entrevistas para publicação. Todos os textos devem ser inéditos em sua especialidade: resultados de pesquisas; resenhas e recensões críticas de obras científicas recém-publicadas nas áreas de mídia, cultura, sociedade, novas tecnologias, Jornalismo, Publicidade e Propaganda, semiótica etc. (Obs.: Não serão aceitos capítulos de dissertações ou teses em que essa condição possa ser constatada no texto.)

2. O material para publicação deverá ser encaminhado, por meio eletrônico, após cadastro do autor do endereço eletrônico da revista: www.unibh.br/revistas/ecom

3. Todos os trabalhos deverão ser enviados, por meio do programa Microsoft Word for Windows, em fonte Times New Roman, corpo 12 e espaço 1,5.

4. De cada autor ou conjunto de autores, só será aceito, para publicação, um artigo por ano.

5. O(s) autor(es) deve(m) ser graduado(s), mestre(s) ou doutor(es). Não serão aceitos trabalhos de alunos sem a coautoria de seus respectivos orientadores.

6. Os trabalhos encaminhados devem ter de 10 a 20 páginas.

7. O material a ser publicado deve ser acompanhado de folha de rosto, com indicação de título; autor ou autores; instituição em que trabalha cada autor e atividade exercida na referida instituição; titulação acadêmica de cada autor; e-mail para contato.

8. Artigos e resenhas devem ser formatados em página A4, com espaçamento 1,5 e em fonte Times New Roman, 12. No caso de artigos, os textos devem ter de 10 a 20 páginas; no caso de resenhas, o limite são 5 páginas. Os artigos precisam conter:

a) Título (a expressar o conteúdo e a ideia geral do texto);

b) Resumo de até 10 linhas, em português;

c) Palavras-chave;

d) Nome do autor;

e) Em nota de rodapé, deve constar a titulação e a instituição da maior titulação do(s) autor(es), programa(s)/instituição(ões) ao(s)/à(s) qual(is) está(ão) vinculado(s) e e-mail.

f)  Pede-se, ainda, um abstract, em inglês, de até 10 linhas, para fins de indexação.

g) Também é preciso revelar se o texto já foi apresentado em congressos, simpósios, seminários etc.

h) As referências bibliográficas (Exemplo: SOBRENOME, Nome. Título do Livro. Cidade: editora, ano.) devem aparecer, em ordem alfabética, ao final do artigo.

9. Ilustrações, gráficos e tabelas (indicar a fonte quando não forem originais do trabalho), com as respectivas legendas e/ou numerações, deverão vir em folhas separadas, indicando-se, no texto, o lugar onde devem ser inseridos.

10. As notas de rodapé devem figurar ao pé da página em que seu número aparece. As notas de indicação bibliográfica, em pé de página, devem ser apresentadas observando-se a seguinte norma: sobrenome do autor em maiúsculas, título do livro ou texto consultado e número da página.

11. As referências deverão aparecer completas, ao final do artigo, em ordem alfabética de sobrenome de autor, atendendo-se às regras para indicação bibliográfica, conforme a Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), cujos elementos básicos especificamos a seguir:

Citação de artigo de revista deverá conter: autor(es) do artigo, título do artigo, título da revista grifado, local da publicação, número do volume, número do fascículo, páginas inicial e final do artigo citado, mês e ano da publicação;

Citação de capítulo de livro deverá conter: autor(es), título do capítulo, organizador(es) da coletânea, título do livro grifado, número da edição (a partir da segunda), local de publicação, editora, data, página inicial e final do capítulo.

Citação de livro deverá conter: autor(es), título grifado, número da edição (a partir da segunda), local de publicação, editora, data, número total de páginas.

12. As páginas deverão ser numeradas na margem superior direita.

13. O material deverá vir devidamente revisado pelo autor. A Comissão Editorial terá direito de realizar nova revisão e alterações necessárias.

14. Os autores serão informados sobre a publicação ou não de seus artigos, desde que forneçam endereço eletrônico. A Comissão Editorial não se responsabilizará pela comunicação dessa informação aos autores que tiverem as mensagens eletrônicas a eles endereçadas devolvidas pelos provedores, por razões alheias à própria Comissão. Não serão emitidos, nem remetidos aos autores, pareceres escritos sobre artigos não aceitos.

 

ISSN: 1983-0890 | Qualis B5